Arquivo para maio, 2011

Velozes e Furiosos 5: Operação Rio – Crítica

Posted in Críticas, Filme, Uncategorized with tags , , , on 25/05/2011 by Diego

Aqui é o Brasil!!! . Essa foi uma frase dita Dominic Toretto (Vin Diesel). Tudo devidamente caracterizado: Polícia corrupta, chefões da favela, bandidos armados, praia e …deserto?…Bem, quase tudo!

Velozes e Furiosos 5 – Operação Rio (Fast Five-2011) estabelece uma mudança de estilo na franquia. Saem os carros tunados (ainda que eles aparecem no filme) e entra a ação e fuga sobre rodas.  O diretor Justin Lin abusa e desafia todas as lógicas da física, mas proporciona um belo filme pipoca alucinante. Tanto que deu vontade de pegar meu carro na saída do cinema e sair igual a um louco pelas ruas de Vila Velha.

A trama gira em torno de Toretto, Brian (Paul Walker) e Mia (a brasileira Jordana  Brewster), velhos conhecidos da franquia, que estão se refugiando no Rio de Janeiro após a fuga de Don da cadeia. Eles estão sendo seguidos pelo agente Luke Hobbs (The Rock, gigantasso!)que acaba desembarcando no Brasil com sua tropa de elite particular para caçar “a família”. Nesse contexto eles ainda resolvem roubar simplesmente o cara que “manda” no Rio, reunindo uma galera dos velozes anteriores: Chris “Ludacris” Bridges, Tyrese Gibson, Matt Schulze, Sung Kang, Gal Gadot, Elsa Pataky, Don Omar e Tego Calderon. Todo mundo retorna! O final disso vai culminar em uma das cenas de perseguição mais nonsense que eu já assisti, com 2 carros puxando um cofre gigante pelas ruas do Rio. Aliás ruas de Porto Rico, já que o filme foi todo rodado lá devido a impostos menores, facilidades de fechar ruas entre outras coisinhas mais. De Brasil mesmo temos apenas algumas tomadas aéreas e umas  fotos de divulgação com o elenco de branco na praia. Pra quem conhece o Rio é até engraçado ver o naipe das casas e das pessoas com cara de portoriquenhos

Pra quem quer diversão e ação esse é o filme! Alucinante. E o confronto do The Rock com o Vin Diesel é um caso a parte. Parecem aqueles filmes do Godzila destruindo a cidade!

O filme deixa algumas pontas soltas para um possível e provável sexto filme, principalmente pela cena do pós-créditos! É esperar mais velocidade e fúria nos próximos anos.

Lição 2 – O adeus a um mestre – II Reis 2:1-11

Posted in Bíblia with tags , , on 13/05/2011 by Diego

Leia antes: Lição 1 – Eliseu: Um padawan

Eliseu deve ter presenciado coisas grandiosas que aconteceram na vida de Elias. Penso na admiração que ele nutria por aquele grande mestre: Sua comunhão com Deus, sua firmeza em anunciar o juízo para homens desobedientes ao Senhor e a demonstração de grande poder na vida desse homem.

Mas algo estava para acontecer. Algo maravilhoso e inimaginável. Chegara a hora da partida de Elias. Mas não era uma despedida qualquer! Elias não estava em estado terminal por alguma doença e muito menos iria se “aposentar” e curtir o restante de seus dias tomando água de coco na praia. Elias seria arrebatado. Não passaria pela morte.

Penso que Elias inicia então uma espécie de teste para saber até que ponto Eliseu era confiável e fiel.

Por três vezes Elias diz a Eliseu que iria para determinado lugar e que ele deveria ficar. E nesses momentos vemos a dedicação de Eliseu a seu mestre: “juro pelo nome do Senhor e por tua vida, que não te deixarei ir só”.

Com isso, percebo algumas lições que podemos aprender com nosso padawan Eliseu:

1 – Eliseu quer aproveitar a companhia de Elias até o último minuto – VS 2 a 6

Fico pensando em nosso relacionamento com Jesus. Ele sendo nosso Senhor, queremos a companhia dele? Temos coragem de repetir o que Eliseu falou? “…não te deixarei ir só”

Eliseu teve uma atitude de aproveitar ao máximo as experiências com Elias.

2 – Os outros discípulos olhavam a distância – VS 7

Quando Elias e Eliseu chegaram ao rio Jordão, aqueles homens não tiveram a ousadia de ficar perto de Elias. Perderam a oportunidade de ver o milagre do Senhor: Elias Bate a capa no rio e as águas se separam para os dois passarem.

Quando estamos longe do Senhor, apenas olhando, quantas bênçãos e milagres nós perdemos por não estarmos perto.

Aqueles discípulos provavelmente estudaram sobre Josué e como ele passou pelo Jordão. Eles poderiam ter visto esse milagre ao vivo, de camarote e participar do milagre. Mas não, ficaram apenas olhando de longe.

Elias treinou aqueles 50 alunos, conversou, esteve com eles por muito tempo. Porém, mesmo eles sabendo da subida de Elias, preferiam ficar só olhando de longe. Que despedida melancólica!

Sabe, Deus espera de nós uma comunhão íntima. Ele nos quer por perto. Quer fazer o milagre, mas quer que participemos junto com ele. Esse é o princípio fundamental de uma comunhão com Deus: Proximidade.

3 – Eliseu quer o poder – VS 9 a 10

Eliseu era um rapaz ousado! Elias se oferece para fazer algo por Eliseu antes dele ser arrebatado. Então ele é surpreendido por um pedido até mesmo meio arrogante: “Peço-te que haja porção dobrada de teu espírito sobre mim.” Tanto que até mesmo Elias reconheceu que era difícil esse pedido.

E o pedido seria atendido se Eliseu visse Elias indo embora.

Homem ousado! Quis a todo custo ficar ao lado de Elias e ainda queria seu poder. Deus admira pessoas assim ousadas. Que não tem medo de pedir o impossível pra Deus. Isso é fé pura! Confiar em um Deus grande que pode responder a pedidos grandes.

Provavelmente passou pela cabeça de Eliseu várias coisas que ele poderia pedir, mas não. Pediu o que era essencial. Sabia que tinha uma missão de continuar onde Elias parou. E sem ajuda do Espírito Santo seria impossível prosseguir. A missão de profeta não era mole!

O adeus a um mestre e um amigo – VS 11

Quando leio essa parte, fico imaginando a cena de dois amigos caminhando e conversando. Talvez dando as últimas instruções, talvez Elias contando alguma piada a Eliseu ou gozando da sua careca! Não sabemos. O certo é que havia intimidade entre o mestre e seu aluno.

E foi nesse contexto de amizade e intimidade, que de repente Elias subiu aos céus em uma carruagem de fogo, deixando Eliseu ali sozinho.

Penso que Eliseu ficou extasiado com tudo o que estava acontecendo e a forma maravilhosa como Elias se foi. Naquele momento ele teve a certeza que Elias era alguém tão fiel a Deus que o mundo não era mais digno de sua presença.

Para Elias, a jornada havia acabado. O fim de uma longa jornada. Podia dizer como Paulo: “completei a carreira e guardei a fé.”

Eliseu observava aquilo tudo em silêncio, meditando no que acabara de acontecer. O mestre se foi. O grande profeta já não estava na terra. A palavra se calou.

Naquele momento, morre o aprendiz. Nasce um profeta. Eliseu entende o propósito de sua vida de substituir e continuar o legado de Elias. Pregando a palavra de Deus, exortando o povo a se arrepender de seus pecados e sendo o mestre na escola dos profetas.

O legado precisava continuar. Eliseu estava pronto.

Começava a jornada de nosso novo profeta…