Archive for the Bíblia Category

João Batista – Um ministério fracassado

Posted in Bíblia with tags , on 23/02/2013 by Diego

Por Diego Matos

sao_joaobatista01As pesquisas mostram que o número de evangélicos no Brasil cresce a cada dia. O censo de 2010 divulgou que temos 42 milhões de evangélicos. Esse número deveria vir acompanhado de uma profunda transformação moral e cultural no país. Mas não é isso que acontece! Nos deparamos com um evangelho raso, com uma graça barata e pastores ministérios que só visam o reconhecimento e o sucesso de acordo com o mundo.

Ao longo das eras, Deus levantou profetas que se mantiveram fieis. Homens como Noé, Jeremias, Isaías… Pregaram a palavra por anos, mas o povo não quis ouvir. O próprio Senhor Jesus, não achou fé na sua cidade.

João Batista foi um jovem que se levantou e tinha todas as condições para fazer sucesso. No entanto, ele escolheu o fracasso (aos olhos do mundo) e foi um exemplo de um cristão que cumpriu a vontade de Deus para a sua vida. E para sua morte! Seu ministério e seu caráter nos ensinam a como ser um verdadeiro cristão e um profeta no meio de um mundo corrompido:

1 – Sua missão era mais importante que seu conforto – Mateus 3:1-5

João Batista era um jovem, com todas as oportunidades e anseios de sua idade. Poderia ter um futuro promissor ou se tornar alguém muito influente. Poderia se tornar um respeitado mestre ou um famoso sacerdote. Mas não. Escolheu o deserto. As roupas esquisitas, a comida exótica, a palavra dura. Era alguém separado por Deus. (Lucas 1:15)

Podemos imaginar que ele devia ter questionamentos, hesitação em aceitar essa missão. Mas ele obedeceu!

O cristianismo no Brasil é algo fácil. Por muitas vezes nos tornamos nominais e nos esquecemos da verdadeira missão. Que isso exige renúncia. Carregar a cruz! João Batista fazia isso como ninguém.

2 – Sua vida e seu ministério apontavam para Cristo, não para si mesmo – João 1:19-20;29

A meta de João Batista era preparar o caminho para o Messias. Essa era a razão de sua mensagem. Toda a sua existência se resumia a isso. Uma pregação de arrependimento e endireitamento do caminho. Quando questionado sobre quem era ele, sua confissão era: Eu não sou o Cristo.

João não estava preocupado se iria perder seus discípulos para Jesus. Ao contrário, quando encontrou com ele pôde expressar sem medo: Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo.

O verdadeiro cristão tem a mesma missão nos dias de hoje: Nossa vida refletir a Cristo. Nossa fé e nossa santidade não são para nós mesmos. Ela é para mostrar Cristo para o outro. Apresentar o amor e a salvação vinda de Deus para outras pessoas. Essa deve ser a razão da nossa fé e o motivo de nosso ministério. Uma santidade relacional!

E não importa o tipo de ministério. Refletir Cristo na mensagem, no período de louvor, na classe das crianças, na arrumação do salão. TUDO deve apontar pra Cristo!

3 – Sua Pregação era ousada, direta e atingia a todos – Lucas 3:8;10-14;19

Arrependei-vos e convertei-vos. Essa era a mensagem. Não havia rodeios. Não falava de autoajuda nem prometia cura de doenças e prosperidade financeira. Anunciava Jesus e a necessidade do povo mudar de direção. Produzir frutos dignos de arrependimento (vs 8)

Tiago2:14-26, fala que a fé sem obras é morta. Uma fé prática. Era essa a mensagem àqueles homens que o procurava para serem batizados.

A mensagem atingiu a todas as classes de pessoas: A multidão, os publicanos, os soldados e Herodes. (vs 10-14;19)

Na era do politicamente correto, precisamos ter ousadia para denunciar o pecado. Ter coragem para dizer às pessoas que elas precisam mudar. Que existe um inferno, que a prática homossexual é pecado! Isso muitas vezes nos levará ao fracasso (diante dos homens) e precisaremos pagar caro. No caso de João Batista, pagou com a própria vida.

Um jovem que foi um exemplo de coragem e fé!

CONCLUSÃO – Fracasso para os homens, sucesso para Deus – LUCAS 7:24-28

Quando João já estava preso, enviou dois de seus discípulos para confirmar se Jesus era realmente o Messias.

Jesus pôde testemunhar acerca de João Batista para toda a multidão. Um jovem que dedicou sua vida a pregar a vinda do Messias, recebeu testemunho do próprio Cristo dizendo que não havia maior profeta do que João Batista nascido de mulher. E mesmo assim, qualquer um no Reino de Deus era maior que ele.

João Batista foi alguém que poderia muito bem ter usado as palavras de Paulo: “Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé”.

Esse é o galardão que aguarda a todos aqueles que foram fieis a seu chamado. Receber do próprio Senhor o reconhecimento e saber que fracassar aos olhos do mundo é sucesso diante de Deus.

Fazer parte de um ministério, seja qual for, não implica em fazer sucesso e ter um grande público aplaudindo. Importa em ser como João que abriu mão de sua vida pelo reino, não buscava os holofotes para si mesmo e com ousadia, anunciava a tão grande salvação de Jesus.

Que cumpramos o mesmo papel de João Batista (Lucas 1:76-79): Preparar os caminhos, dar ao povo conhecimento da salvação, alumiar os que estão assentados em trevas e sombra de morte e dirigir os pés pelos caminhos da paz.

 

Quer saber mais sobre Ministérios Fracassados? Assista o vídeo abaixo e ouça o podcast do BTCAST sobre o assunto.

Ação Social – parte 1

Posted in Bíblia with tags , on 05/05/2012 by Diego

Esse ano iniciamos um novo projeto na igreja: Ação Social!

Temos visto ultimamente que a sociedade criou um esteriótipo de crente: “Aquele que pede dinheiro dos pobres e enriquece às custas da ignorância alheia!” E é fato que os escândalos envolvendo pastores e igrejas tem reforçado essa ideia. Outro aspecto é o número de igreja evangélicas que simplesmente surgem, principalmente nas grandes cidades com suas mega estruturas, programas de TV, rádio e música.  A verdade é que a igreja se tornou um negócio muito atrativo!

As igrejas que tem procurado manter sua essência, com as bases firmadas na bíblia, tem sofrido um esfriamento brutal, com grande impacto na Europa e EUA. Isso tem chegado ao Brasil. Igrejas com compromisso de pregar o evangelho puro tem se enfraquecido e perdido sua “atração” (em aspas mesmo).

Algo que tem me incomodado nos últimos meses é de que maneira podemos reverter esse quadro? Como as pessoas podem ter uma nova visão dessa comunidade?

Foi aí que surgiu uma ideia de levantar essa bandeira de ter um “olhar para fora” e fazer alguma coisa pra que as pessoas vejam que a igreja é um lugar de se doar, não tirar da comunidade. Esse é uma das razões de ser da igreja.

A ideia é de nos próximos posts compartilhar junto as experiências desde o início do projeto, os primeiros passos, formação da equipe, dificuldades. Vamos nos falando.

Fique com um vídeo muito impactante de Luiz Sayão falando sobre ação social na igreja

Abraços!

Em Gadara é assim!

Posted in Bíblia with tags , on 07/02/2012 by Diego

Gadara era uma das dez cidades que formavam a liga de Decápolis, cidades ricas, de cultura grega que conviviam com sua arte, filósofos, cidades que administravam seus próprios negócios e cunhavam suas próprias moedas. Gadara tinha um grande potencial comercial e por ficar a 378m acima do nível do mar e proporcionar uma bela vista sobre a zona norte do Vale do Jordão, o Mar de Galileia e as colinas de Golán, tinha também um grande potencial turístico.

 
1 – Há uma batalha espiritual sendo travada e ela não pode ser ignorada

Jesus chega em Gadara e se depara com um homem em estado deplorável, totalmente entregue nas garras de Satanás. Talvez um dos piores estados que uma pessoa possa chegar no que diz respeito ao pecado.
Às vezes estamos tão acomodados com a “rotina” da igreja, que esquecemos que temos um lago para atravessar. E ali tem pessoas a nossa volta carentes e sedentas do amor de Deus, tendo suas vidas destruídas por Satanás.
2 – Há uma missão: resgatar nem que seja uma vida
Observando o capítulo anterior, lemos que Jesus disse a seus discípulos que fossem ao outro lado. E eles enfrentaram uma tempestade tão forte que tiveram que acordar Jesus.
Os discípulos podem até ter ficado confusos e bravos. Podem ter pensado: Atravessar esse mar, quase virar o barco, pra chegar aqui, tirar demônio desse homem e simplesmente voltar? Pra que?
Não temos idéia do impacto de falar do amor de Deus para uma pessoa dessas. Jesus era visionário e investiu em um cara endemoniado, nu, rejeitado pela sociedade, para torná-lo um missionário em cidades sofisticadas e ricas da época (VS 20).
3 – Precisamos evitar a Síndrome de Gadara
Vemos um povo culto, rico, porém que não se importava com o estado do homem. E quando Jesus o restaura e eles o vêem vestido, limpo e em pleno juízo, ao invés de se alegrarem, eles pedem que Jesus vá embora! Pensavam apenas no prejuízo econômico com a perda dos porcos. O que importa é o dinheiro!
Muitas vezes temos o mesmo sentimento do povo de Gadara. Estamos confortáveis em nossos cultos, porém indiferentes ao povo “lá de fora”. É o bar da esquina, os pedintes do sinal, a galera do crack.
Jesus ensinou aos doutores da lei na parábola do bom samaritano, que o próximo é aquele que ajuda quem está no caminho precisando de cuidados. O Senhor manda fazer o mesmo (Lucas 10:36-37). Quem é o nosso próximo?

Igreja = “Chamados para fora”. Temos corais, louvor, uma boa liturgia de culto. Porém precisamos lembrar-nos de nosso principal propósito: Levar o evangelho para as pessoas sedentas. E além do evangelho, levar AMOR. As pessoas lá fora estão carentes de amor. Elas são o nosso próximo!

Lição 3 – Um novo mestre, o mesmo Espírito – II Reis 2:12-15

Posted in Bíblia with tags , , , on 18/11/2011 by Diego

Leia antes: Lição 1 – Eliseu: Um padawan

Leia antes: Lição 2 – O adeus a um mestre

Fico surpreso com a ousadia de Eliseu! A primeira coisa que ele faz quando Elias desaparece é pegar sua capa. Havia chegado o momento da verdadeira prova. Se o pedido de Eliseu a Elias havia sido atendido.

A capa de Elias era o símbolo do Espírito Santo revestindo agora Eliseu. Ele havia pedido porção dobrada do Espírito e, mais que depressa ele pega a capa e faz exatamente o que Elias havia feito: Bateu com a capa no rio e as águas se dividiram para ele passar.

Essa ousadia pode parecer uma certa arrogância a nossos olhos, mas é exatamente o que Deus espera de nós! Que tenhamos coragem de ser diferentes e experimentar o agir do Espírito Santo em nossas vidas. O interessante é que os discípulos de Elias, que presenciaram a esse milagre, imediatamente reconhecem o agir do espírito sobre a vida de Eliseu, o mesmo Espírito que estava sobre Elias.

Quando li este texto, me veio à memória grandes homens do passado. Desde a época dos patriarcas, os profetas, os apóstolos…todos homens de Deus que fizeram coisas grandiosas e espetaculares usados pelo Senhor. Temos a tendência de pensar que eles eram revestidos de algum poder sobrenatural, alguma força que os cercava. E eram revestidos mesmo! Revestidos do poder do Espírito Santo de Deus! Exatamente o mesmo Espírito que habita em mim e em cada um que um dia conheceu a Jesus.

Isso não quer dizer que vou sair por aí batendo um paletó no rio e ele vai se abrir, ou que vou procurar o zoológico mais próximo e entrar na “cova dos leões”. A questão toda é que podemos fazer a diferença no mundo pois temos o mesmo Espírito. Podemos ter a ousadia de Eliseu de querer ser cheio do Espírito. De não se contentar em ser um discípulo incrédulo de Elias, mas um grande profeta igual a ele.

No nosso tempo, podemos ter a mesma atitude de Eliseu e pedir com ousadia a porção dobrada do Espírito. Ele nós já temos selado, mas podemos clamar a Deus que nos encha com seu Espírito. E através de uma vida de oração e meditação da palavra, transbordaremos e, quando alguém chegar próximo, vai dizer: “tem algo diferente”.

Eliseu fez coisas grandiosas por ter sido ousado. Nós também estamos no tempo de declarar que queremos ser diferentes. Que decidimos pela porção dobrada do espírito! Se isso acontecer, estaremos preparados para experimentar e comprovar a boa, perfeita e agradável vontade de Deus!

Redes sociais: amizades verdadeiras x novas formas de se comunicar – I Samuel 18:3

Posted in Bíblia with tags , , , on 21/07/2011 by Diego

Significado da palavra “amigo”: 1 Que tem gosto por alguma coisa; apreciador. 2 Aliado, concorde. 3 Caro, complacente, dileto, favorável. 4 Dedicado, afeiçoado. sm 1 Indivíduo unido a outro por amizade; pessoa que quer bem a outra. 2 Colega, companheiro. 3 Amador. 4 Amante, amásio. 5 Defensor, protetor. 6 Partidário, simpatizante. 7 Aliado.

Após Davi ter matado Golias, sua coragem foi notada pelo rei Saul e ele passou a ficar na companhia do rei e recebeu um posto elevado no exército pela sua coragem.

Com essa proximidade no reino, Davi acabou fazendo uma amizade com o filho de Saul, Jônatas. Essa amizade era pura e nos ensina muitas coisas sobre o verdadeiro significado de ser um amigo.

1 – Ser amigo envolve compromisso sincero – 18:3

Jônatas fez estabeleceu um acordo, um compromisso com Davi. Propôs no seu coração que seria verdadeiro com Davi. Mesmo depois que Saul procurou matá-lo, Jônatas o protegeu e lhe deu condições de fugir e livrar sua vida, tudo por causa do pacto que eles tinham feito!

Amizade envolve compromisso. Os pensamentos são diferentes. A forma de agir também. A base de uma amizade é a verdade. A sinceridade. Todos nós temos defeitos e nossos amigos também. Muitas vezes teremos que falar alguma coisa que não vai agradar nosso amigo e ouvir também. Mas isso é bíblico e faz parte da amizade: Assim como o ferro afia o ferro, o homem afia o seu companheiro. Provérbios 27:17

2 – Ser amigo é compartilhar…  – 18:4

Jônatas não teve um momento sequer de ciúme de suas coisas. Deu o que era melhor para Davi: Seu manto (manto real), sua túnica (túnica real) e até sua espada e seu cinturão.

Pense naquilo que você mais gosta! Aquele super vestido comprado no shopping ou um tênis da Nike lançamento 2011…Foi exatamente isso que Jônatas ofereceu para Davi: o melhor!

Se queremos fazer amigos, estamos dispostos a compartilhar nossas coisas? Nosso tempo?

3 – Amigos protegem um ao outro – 20:9

Saul resolveu tirar a vida de Davi por inveja. Jônatas ficou sabendo disso e arquitetou toda a fuga de Davi de forma cinematográfica. Jônatas propôs proteger Davi a todo o custo. Arriscando sua vida por ele.

Nossa sociedade nos diz: “cada um com seu problema”… “azar o dele”

Somos influenciados a buscar apenas nosso bem estar. Talvez seu amigo ou amiga não corra perigo de vida. Mas ele pode estar indo para as drogas, ser viciado em bebida e principalmente ele pode não ter aceitado Jesus. Nossa responsabilidade como amigo leal é alertá-lo sobre os perigos que ele corre se continuar na mesma atitude.

4 – Amizades verdadeiras jamais acabam – 20:13

 A amizade entre os dois não estava restrita a uma vida. O pacto deles se estendeu até gerações. Era algo muito maior que uma amizade comum. Tanto que muito tempo depois, após a morte de Jônatas, O agora Rei Davi se lembra na amizade de Jônatas e de seu juramento e procura por toda a parte até achar um filho de Jônatas que se chamava Mefibosete. Davi o leva para o palácio e passou a morar lá como um príncipe.


Novos tempos, conceitos eternos.

 Depois de estudar essa história, aprendemos que amizade é algo muito mais profundo do que adicionar alguém numa rede social. Amizade é compromisso, entrega e honra.

A internet é nos dá várias ferramentas pra gente estreitar nossas amizades através das redes sociais. O problema é que muitas vezes nós não aplicamos os conceitos de amizade através das redes. Tudo é muito superficial, muito individualista. A conversa tá chata, fica offline. Não quer conversar com alguém, entra “invisível”. Não quer que ninguém saiba o que acha de algum assunto, posta como anônimo!

Hoje estamos carentes de amigos à moda antiga. De sentar, bater papo, rir, chorar…O mundo nos impõe uma amizade superficial, apenas virtual. A bíblia diz que Quem tem muitos amigos pode chegar à ruína, mas existe amigo mais apegado que um irmão. Provérbios 18:24

Que sejamos amigos virtuais, porém reais em nossa vida e em nosso coração!

Veritas vos liberabit

Posted in Bíblia, Cotidiano with tags on 16/07/2011 by Diego

Verdade: Realidade. Exatidão. Aquilo que é ou existe.

Como essa palavrinha mágica tem mexido comigo nos últimos dias. Não sabia as consequências reais de se praticar Efésios 4: 25: ” Portanto, cada um de vocês deve abandonar a mentira e falar a verdade ao seu próximo…”.

Descobri por exemplo que a verdade incomoda, machuca quem fala e quem ouve. Provoca reações diversas, traz à tona o caráter das pessoas. E como diz nosso amigo João Alexandre: “Quem diz a verdade nem sempre vive cercado de amigos, mas viver de mentiras só faz bem pro inimigo”.

Vivemos num mundo corrupto e malandro. Como a mentira e a falsidade têm enraizado nossa sociedade de forma tão ágil! Achamos mais fácil dar um “migué” e contar uma mentirinha pra sair “bem na fita”. Não temos assumido nosso compromisso com Deus de ser verdadeiro e pagar o preço por isso.

Sempre me lembro dos amigos de Daniel querecusaram a curvar-se perante o rei e pagaram o preço por isso. Usando como figura de linguagem, se curvar à estátua pode ser comparado hoje a se render a mediocridade e a política da boa vizinhança para ser “bem” aceito na sociedade e nos grupos em que convivemos (escola, trabalho, igreja, família).  E como é fácil mentir ou mesmo dizer meias verdade, enganar o outro, usar de falsidade.

A prática de dizer a verdade muitas vezes pode ser interpretada como arrogância ou ser desconfiança para com as pessoas. Mas ela é necessária pois nossa consciência nos livra de qualquer incômodo.

É claro que aprendi também que certas verdades devem ser ditas na hora certa e da maneira certa. Sair dando uma de super sincero, atirando verdades (que precisam ser ditas) mas da maneira errada não traz o benefício esperado. Sempre prontos para ouvir e tardios para falar. Mas fale!

Quando lembramos que o Senhor Jesus é A VERDADE, nossa disposição em ser verdadeiro é outra, pois sabemos que isso vem de Deus, é essência dEle! E quando praticamos isso, nós notamos a diferença que essa prática faz em nossas vidas. Passamos credibilidade, as pessoas confiam naquilo que dizemos e fazemos e, por mais redundante que possa parecer, a mentira e a falsidade se afastam de nós. E mais, não temos ideia do benefício que uma verdade dita a alguém faz na vida dessa pessoa. E não só nas pessoas: no ambiente de trabalho, na nossa casa, na igreja e entre nossos amigos. Atitudes mudam, vidas são transformadas, processos são revistos, tudo pela boa prática de se ter uma atitude verdadeira.

Por esses dias fomos em um lugar onde passávamos por uma estrada de chão e o carro ficou numa situação deplorável, de branco ficou marrom. No outro dia pela manhã acordei e fui dar uma ducha para tirar a sujeira. A medida que a água cristalina era jogada, aquele barro ia saindo e o branco dava de novo seu brilho. A verdade faz isso também. Ela é como uma água purificadora que retira aquele barro da falsidade e mentira e revela a quem nós pertencemos. O branco de Cristo em nossa vida reluz como nunca e esse testemunho é que faz a diferença na nossa vida e na vida das pessoas.

Que possamos lembrar que “o Senhor odeia os lábios mentirosos, mas se deleita com os que falam a verdade.”

A verdade vos libertará!

Lição 2 – O adeus a um mestre – II Reis 2:1-11

Posted in Bíblia with tags , , on 13/05/2011 by Diego

Leia antes: Lição 1 – Eliseu: Um padawan

Eliseu deve ter presenciado coisas grandiosas que aconteceram na vida de Elias. Penso na admiração que ele nutria por aquele grande mestre: Sua comunhão com Deus, sua firmeza em anunciar o juízo para homens desobedientes ao Senhor e a demonstração de grande poder na vida desse homem.

Mas algo estava para acontecer. Algo maravilhoso e inimaginável. Chegara a hora da partida de Elias. Mas não era uma despedida qualquer! Elias não estava em estado terminal por alguma doença e muito menos iria se “aposentar” e curtir o restante de seus dias tomando água de coco na praia. Elias seria arrebatado. Não passaria pela morte.

Penso que Elias inicia então uma espécie de teste para saber até que ponto Eliseu era confiável e fiel.

Por três vezes Elias diz a Eliseu que iria para determinado lugar e que ele deveria ficar. E nesses momentos vemos a dedicação de Eliseu a seu mestre: “juro pelo nome do Senhor e por tua vida, que não te deixarei ir só”.

Com isso, percebo algumas lições que podemos aprender com nosso padawan Eliseu:

1 – Eliseu quer aproveitar a companhia de Elias até o último minuto – VS 2 a 6

Fico pensando em nosso relacionamento com Jesus. Ele sendo nosso Senhor, queremos a companhia dele? Temos coragem de repetir o que Eliseu falou? “…não te deixarei ir só”

Eliseu teve uma atitude de aproveitar ao máximo as experiências com Elias.

2 – Os outros discípulos olhavam a distância – VS 7

Quando Elias e Eliseu chegaram ao rio Jordão, aqueles homens não tiveram a ousadia de ficar perto de Elias. Perderam a oportunidade de ver o milagre do Senhor: Elias Bate a capa no rio e as águas se separam para os dois passarem.

Quando estamos longe do Senhor, apenas olhando, quantas bênçãos e milagres nós perdemos por não estarmos perto.

Aqueles discípulos provavelmente estudaram sobre Josué e como ele passou pelo Jordão. Eles poderiam ter visto esse milagre ao vivo, de camarote e participar do milagre. Mas não, ficaram apenas olhando de longe.

Elias treinou aqueles 50 alunos, conversou, esteve com eles por muito tempo. Porém, mesmo eles sabendo da subida de Elias, preferiam ficar só olhando de longe. Que despedida melancólica!

Sabe, Deus espera de nós uma comunhão íntima. Ele nos quer por perto. Quer fazer o milagre, mas quer que participemos junto com ele. Esse é o princípio fundamental de uma comunhão com Deus: Proximidade.

3 – Eliseu quer o poder – VS 9 a 10

Eliseu era um rapaz ousado! Elias se oferece para fazer algo por Eliseu antes dele ser arrebatado. Então ele é surpreendido por um pedido até mesmo meio arrogante: “Peço-te que haja porção dobrada de teu espírito sobre mim.” Tanto que até mesmo Elias reconheceu que era difícil esse pedido.

E o pedido seria atendido se Eliseu visse Elias indo embora.

Homem ousado! Quis a todo custo ficar ao lado de Elias e ainda queria seu poder. Deus admira pessoas assim ousadas. Que não tem medo de pedir o impossível pra Deus. Isso é fé pura! Confiar em um Deus grande que pode responder a pedidos grandes.

Provavelmente passou pela cabeça de Eliseu várias coisas que ele poderia pedir, mas não. Pediu o que era essencial. Sabia que tinha uma missão de continuar onde Elias parou. E sem ajuda do Espírito Santo seria impossível prosseguir. A missão de profeta não era mole!

O adeus a um mestre e um amigo – VS 11

Quando leio essa parte, fico imaginando a cena de dois amigos caminhando e conversando. Talvez dando as últimas instruções, talvez Elias contando alguma piada a Eliseu ou gozando da sua careca! Não sabemos. O certo é que havia intimidade entre o mestre e seu aluno.

E foi nesse contexto de amizade e intimidade, que de repente Elias subiu aos céus em uma carruagem de fogo, deixando Eliseu ali sozinho.

Penso que Eliseu ficou extasiado com tudo o que estava acontecendo e a forma maravilhosa como Elias se foi. Naquele momento ele teve a certeza que Elias era alguém tão fiel a Deus que o mundo não era mais digno de sua presença.

Para Elias, a jornada havia acabado. O fim de uma longa jornada. Podia dizer como Paulo: “completei a carreira e guardei a fé.”

Eliseu observava aquilo tudo em silêncio, meditando no que acabara de acontecer. O mestre se foi. O grande profeta já não estava na terra. A palavra se calou.

Naquele momento, morre o aprendiz. Nasce um profeta. Eliseu entende o propósito de sua vida de substituir e continuar o legado de Elias. Pregando a palavra de Deus, exortando o povo a se arrepender de seus pecados e sendo o mestre na escola dos profetas.

O legado precisava continuar. Eliseu estava pronto.

Começava a jornada de nosso novo profeta…