Arquivo para Crítica

Velozes e Furiosos 5: Operação Rio – Crítica

Posted in Críticas, Filme, Uncategorized with tags , , , on 25/05/2011 by Diego

Aqui é o Brasil!!! . Essa foi uma frase dita Dominic Toretto (Vin Diesel). Tudo devidamente caracterizado: Polícia corrupta, chefões da favela, bandidos armados, praia e …deserto?…Bem, quase tudo!

Velozes e Furiosos 5 – Operação Rio (Fast Five-2011) estabelece uma mudança de estilo na franquia. Saem os carros tunados (ainda que eles aparecem no filme) e entra a ação e fuga sobre rodas.  O diretor Justin Lin abusa e desafia todas as lógicas da física, mas proporciona um belo filme pipoca alucinante. Tanto que deu vontade de pegar meu carro na saída do cinema e sair igual a um louco pelas ruas de Vila Velha.

A trama gira em torno de Toretto, Brian (Paul Walker) e Mia (a brasileira Jordana  Brewster), velhos conhecidos da franquia, que estão se refugiando no Rio de Janeiro após a fuga de Don da cadeia. Eles estão sendo seguidos pelo agente Luke Hobbs (The Rock, gigantasso!)que acaba desembarcando no Brasil com sua tropa de elite particular para caçar “a família”. Nesse contexto eles ainda resolvem roubar simplesmente o cara que “manda” no Rio, reunindo uma galera dos velozes anteriores: Chris “Ludacris” Bridges, Tyrese Gibson, Matt Schulze, Sung Kang, Gal Gadot, Elsa Pataky, Don Omar e Tego Calderon. Todo mundo retorna! O final disso vai culminar em uma das cenas de perseguição mais nonsense que eu já assisti, com 2 carros puxando um cofre gigante pelas ruas do Rio. Aliás ruas de Porto Rico, já que o filme foi todo rodado lá devido a impostos menores, facilidades de fechar ruas entre outras coisinhas mais. De Brasil mesmo temos apenas algumas tomadas aéreas e umas  fotos de divulgação com o elenco de branco na praia. Pra quem conhece o Rio é até engraçado ver o naipe das casas e das pessoas com cara de portoriquenhos

Pra quem quer diversão e ação esse é o filme! Alucinante. E o confronto do The Rock com o Vin Diesel é um caso a parte. Parecem aqueles filmes do Godzila destruindo a cidade!

O filme deixa algumas pontas soltas para um possível e provável sexto filme, principalmente pela cena do pós-créditos! É esperar mais velocidade e fúria nos próximos anos.

Anúncios

Os Mercenários – Crítica

Posted in Filme with tags , on 03/02/2011 by Diego

A Sessão da Tarde fez parte da minha infância.  Quem não se lembra de filmes como Stalone Cobra, Duro de Matar, Rambo.

É exatamente a homenagem a esses filmes que Os Mercenários (The Expendables,2010) presta. Stallone dirige um bando de caras conhecidas dos anos 80 e mais recentes também: Além dele mesmo protagonizar temos Jason Statan, Jet Li, Dolph Lundgren, Mickey Rourke além de participações de luxo de Bruce Willis e até o governator Arnold Schwarzenegger. Falando nisso, eles protagonizam uma das melhores tiradas do filme.

Além dos marmanjos, tem a mocinha, lógico: Gisele  Itiê (que fez Bela a Feia na Record recentemente).

A história é um montão de clichês oitentistas. A trama é sobre um grupo de mercenários liderados por Barney Ross (Stallone) que são contratados pelo Sr. Igreja (Willis) se infiltrarem em  uma ilha latina e matarem um terrível ditador. Chegando lá eles conhecem Sandra (Itiê), que quer ficar e lutar pela liberdade. E aí surge um sentimento de redenção que fala mais alto o que o dinheiro.

Vale ressaltar que a parte da ilha foi rodada aqui no Brasil, no Rio. “Explodiram” muita coisa por aqui.

Quem quer assistir um filme de ação com muita explosão, situações absurdas, frases de efeito e muito tiro, é uma boa pedida. Nada mais. Eu até que achei legal, principalmente pela tosqueira que é a  dublagem do Stallone, que o acompanha desde os tempos de Rocky Balboa.


O livro de Eli – crítica

Posted in Filme with tags , , on 19/01/2011 by Diego

Vou fazer minha primeira crítica de um filme começando pelo que eu assisti mais recentemente…claro!!!

Achei o tema interessante e resolvi assistir. Mistura de cenario pós apocaliptico com bíblia às vezes rende histórias interessantes. Além disso a presença de  Denzel Washington é quase uma garantia de um bom filme.

O livro de Eli (The book of Eli) narra a história de Eli, um homem que anda errante há pelo menos 30 anos em um mundo devastado após uma guerra e que carrega em sua mochila o tal livro misterioso. Sua missão, revelada a ele através de uma voz, é levar o tal livro ao oeste, que supostamente é a garantia da sobrevivência da humanidade.

Em seu caminho, ele depara com um pequeno vilarejo que é governado por Carnegie (Gary Oldman), um homem que quer a todo custo criar o seu próprio reino e para isso está à procura do livro, que segundo ele contém palavras que darão esperança ao povo e com isso confiarão nele. (já descobriu que livro é esse?). Tem ainda a mocinha que Eli vai tentar ajudar e o restante não vou contar para não estragar as surpresas.

O filme é bastante violento, porém tem pelo menos um momento hilário: Eli cita um versículo antes de começar a pancadaria em um monte de caras…ficou bem estiloso.

É obvio que o filme não tem nenhum respaldo bíblico sobre os acontecimentos de apocalipse. Inclusive, a tal guerra que devastou o mundo não é muito explicada e durante o filme temos apenas algumas dicas que apontam para uma guerra santa em proporções mundiais, o que de certa forma abriu um buraco no céu (bem parecido com matrix). Porém os cenários são bem interessantes e o trabalho de fotografia ajuda muito, com tons predominantes de cinza, estilo bem empoeirado mesmo. A história alterna alguns momentos curtos de ação mas não se torna cansativo por isso. Ele é bem interessante e com certeza vai te prender na frente da telinha. O final…bem…o final é daqueles tipo reviravolta que vai te deixar pensativo mesmo quando estiver passando as letrinhas e provavelmente você vai querer assistir novamente pra pegar alguns…digamos…detalhes a mais.